Quem Somos

Sediada na Capital Nacional da Tecnologia – São Carlos/SP, a PETE está há mais de 10 anos no mercado desenvolvendo soluções inovadoras para os desafios contemporâneos da educação.

A PETE destaca-se por ser a maior fabricante nacional de Kits de Robótica Educacional. Além de produzir Kits diferenciados e que permitem explorar a aprendizagem criativa, a linguagem de programação utilizada pela PETE é simples, e em poucos minutos os usuários já estão programando seus kits. Outros benefícios para os usuários são: valor do Kit mais acessível do que as versões importadas e suporte técnico e manutenção oferecidos pela empresa.

A PETE é a única empresa fabricante de kits de robótica que possui um Projeto de Educação Tecnológica recomendado pelo “Guia de Tecnologias Educacionais” do Ministério da Educação e utilizado por mais de 200 mil alunos da Educação Básica, em mais de 500 escolas públicas e privadas do país e em alguns países como Estados Unidos, Colômbia e Angola.

Com amplo conhecimento sobre a realidade das escolas, tanto públicas como privadas, a PETE vem desenvolvendo produtos e serviços cada dia mais alinhados com a demanda desta nova era digital.

Além de atender às escolas, agora a PETE também atende o consumidor final.

Crianças, jovens e adultos podem adquirir seu Kit e aproveitar todos os benefícios da robótica em casa!

História


A história da PETE começa em 2004, após uma competição de robôs em Salvador, na Bahia. Marcello Duarte e José Pacheco* eram, naquela época, professores universitários e tinham participado de um Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, ficando em segundo lugar na disputa. Dali em diante, eles começaram trilhar uma nova história, criando uma empresa para produzir Kits de Robótica.

A empresa levou para o Congresso na Bahia o robô Montezuma, que chegou em segundo lugar, atrás de uma equipe da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Os robôs, programados para comportamento autônomo e construídos pelas diversas equipes inscritas na disputa, deveriam ser capazes de subir uma rampa branca com 25 centímetros de largura, formada por retas e curvas protegidas por paredes pretas, que levava ao topo de uma pirâmide quadrangular com 1,60 metros de altura. Lá no alto, as máquinas tinham que encaixar uma bolinha de golfe em um buraco com apenas 10 centímetros de diâmetro. A tarefa deveria ser realizada em no máximo dez minutos. O Montezuma era movido por sensores ópticos, sonares, que emitem ultrassom, e de posição, que lhe permitiam corrigir a rota quando batia nas paredes, realizar curvas precisas e não cair da pirâmide. Ele lembrava a locomotiva de um trem (sem a chaminé e com muitos fios à vista) e acabou se destacando: na primeira etapa da competição foi o único robô a cumprir a prova. “Era muito eficiente, sempre conseguia encaçapar a bolinha”, recorda Pacheco. “Mas não tinha muita velocidade e fez o percurso em um tempo maior que o robô da outra equipe, na etapa de desempate”, lembra Duarte.

*  José Pacheco é formado em ciências da computação na UFSCar e Doutor em Engenharia Elétrica na USP. Marcello Duarte é formado em engenharia elétrica na Universidade de São Paulo (USP), mestre em ciências da computação na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e doutorando em Engenharia Mecânica na USP-São Carlos.

“A intenção era combinar a tecnologia com um consistente viés pedagógico e aproveitar os robôs para ensinar crianças a partir de 6 anos de forma lúdica e divertida”, lembra José Pacheco.

Em 2005, a PETE passou a fabricar e comercializar o Kit ALPHA (conjunto que oferece uma série de materiais necessários para a montagem de robôs em vários formatos, funções e tamanhos variados) e depositou junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) o pedido de patente No PI 0501539-1 A.

Em 2007 o Kit inovador foi usado por 12 mil alunos, nas cidades de São Paulo, São Carlos, Bauru, Lins, Sertãozinho, Ribeirão Preto, Limeira e Jundiaí, João Pessoa (Paraíba) e Londrina (Paraná), atendendo a rede pública e particular.

Ainda no final do ano de 2007, o Projeto de Alfabetização Tecnológica da PETE , que utiliza o Kit ALPHA, foi escolhido um dos 20 projetos do país, dos 239 apresentados, selecionados e certificados pelo Ministério da Educação (MEC) na área de Tecnologias Educacionais – uma espécie de selo de qualidade do segmento. Foi uma grande conquista para a empresa.

Desde o surgimento das empresas até julho de 2007 a PETE ficou incubada no Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cinet) da Fundação Parque de Alta Tecnologia de São Carlos (Parqtec).

Neste período, além de fazer contatos e aprender aspectos de gestão, produção e administração, os empresários aprenderam uma primeira – e grande – lição: nunca subestimar as crianças. “Elas aprendem com muita rapidez; além disso, os computadores fazem parte do cotidiano delas”, conta José Pacheco, lembrando que um desafio que imaginavam demorar 4 horas foi completado pelas crianças por 45 minutos!

Após a enriquecedora experiência no Parqtec, a PETE mudou para um escritório próprio, o que possibilitou abrir novas portas e conquistar outros clientes. Desde então, a empresa vem aprimorando os Kits e os projetos de tecnologia na educação. Hoje, o Kit ALPHA e o Software LEGAL já estão na quarta geração, foram incrementados com uma série de recursos para facilitar ainda mais o uso em sala de aula para que professores não precisem se preocupar tanto com a tecnologia em si, podendo, assim, dar mais atenção a sua prática pedagógica.